Turismo

Dólar muito alto para os EUA? Canadá tem opções similares mais em conta

Com o dólar ultrapassando os R$ 4, o sonho de viajar para os Estados Unidos pode estar mais distante. Mas para quem busca programas similares e com o mesmo clima, por que não o Canadá ?

Além de uma moeda menos valorizada e preços mais em conta, o país também é famoso pela abundância de atrações, incluindo um sem-fim de opções para quem quer fugir da muvuca nos quase dez milhões de quilômetros quadrados de sua vastidão, habitados por uma população relativamente esparsa de 37 milhões (em comparação com os aproximadamente 329 milhões de americanos numa área semelhante).

Para quem está à procura de um bom negócio e pouca gente, os destinos abaixo oferecem equivalentes canadenses a locais bem populares nos EUA, incluindo uma cidade grande, uma região vinícola, um refúgio rural e uma cidadezinha nas montanhas.

Se você gosta de Nova York, visite Toronto

Como a grande metrópole dos EUA, Toronto, a maior cidade do Canadá, oferece uma infinidade de atrações culturais e gastronômicas, só que em uma área menor, onde o Airbnb estabelece a diária de um quarto a US$ 46.

- Em Toronto, você consegue ter uma experiência cultural do mais alto nível, num clima intimista, por meio de eventos que, em qualquer outra cidade, ficariam lotados - afirma Mia Nielsen, diretora da Art Toronto, mostra de arte contemporânea internacional anual que vai de 25 a 27 de outubro.

Além de instituições como a Art Gallery of Ontario (entrada a CA$ 25 ou cerca de US$ 18,90, franca para menores de 25 anos), ela recomenda a Power Plant (entrada gratuita), uma galeria de arte contemporânea, por montar "mostras consistentes e que fazem pensar", e centros administrados pelos próprios artistas, espaços sem fins lucrativos que contam com o apoio do Conselho das Artes do Canadá, como a Mercer Union (entrada franca). Também menciona o recém-expandido Museu de Arte Contemporânea (US$ 10), onde "Age of You", exposição coletiva sobre o impacto da tecnologia na cultura, será inaugurada em cinco de setembro.

Entre uma exibição e outra, vale parar em um café sírio ou em uma casa de macarrão chinês. Um pouquinho mais da metade da população de Toronto, 51%, é composta de estrangeiros; são 230 nacionalidades, o que representa uma fonte de grande diversidade culinária.

- Os preços nem se comparam às Nova Yorks, San Franciscos e Chicagos do mundo, mas a qualidade não deixa a desejar em nada - garante Franco Stalteri, que, desde 2009, organiza jantares pop-up ocasionais com chefs de renome mundial como Fergus Henderson, os chamados Charlie's Burgers. - Temos a nosso favor um multiculturalismo vasto que nunca vi em nenhum outro lugar.

Entre as opções étnicas baratas, ele recomenda a casa de frutos do mar no estilo de Beirute, a Ghadir Fish, a Sri Lankan Saffron Spice Kitchen, a Swatow para quem quer macarrão e sopa chineses e a Zezafoun para opções sírias e música ao vivo.

Se você gosta de Napa Valley, na Califórnia, visite o Vale Okanagan

É complicado competir em matéria de excelência e variedade com Napa Valley, na Califórnia, que abriga quase 500 vinícolas; porém, no sul da porção central da Colúmbia Britânica, o Vale Okanagan também oferece paisagens espetaculares e rótulos de qualidade. Ao contrário dos varietais do Napa, que são encontrados praticamente em todo lugar, se você quiser beber um produto do Okanagan vai ter de ir até lá, já que 90% do vinho produzido na província são consumidos dentro de seu território.

- Em vez de exportar, as vinícolas preferem receber os visitantes, e fazem nesse aspecto um trabalho excepcional -  elogia Laura Kittmer, porta-voz do Instituto do Vinho da Colúmbia Britânica.

Das mais de 280 vinícolas da província, 185 ficam no Okanagan, um vale que tem no centro o lago de mesmo nome, com 135 quilômetros de extensão, e se estende mais 64 quilômetros para o sul, para a cidadezinha de Osoyoos. As áreas setentrionais são famosas por varietais como a riesling, enquanto nas meridionais, com perfil desértico, encontram-se as que preferem o calor, como a syrah. A maioria dos vinhedos tem menos de 30 anos, mas sua qualidade melhorou drasticamente na última década. Nove safras, incluindo três da Mission Hill Family Estate, faturaram medalhas de ouro na Competição Internacional de Vinhos & Destilados deste ano, em Londres.

Quem desembarcar em Kelowna, o centro urbano da região, encontrará vinícolas de todos os tipos, desde a mais sofisticada até a mais rústica. Entre as primeiras, a Quails' Gate tem um salão de degustação que dá vista para o lago e um restaurante ao lado, onde o almoço com cinco pratos e harmonização sai por CA$ 79. Não muito longe dali, a informal Hatch funciona em um antigo galpão de tratores (a degustação de CA$ 4 sai de graça com a compra de uma garrafa).

Entre as acomodações diferenciadas, o animado Hotel Zed, em Kelowna, tem sala de pingue-pongue, bicicletas, patins gratuitos e diárias a 169 dólares.

Se você gosta de Hudson, em Nova York, visite o Condado de Prince Edward, em Ontário

Para uma escapada rural com um clima descolado do Brooklyn, siga para o norte de Hudson, em Nova York, até chegar ao Condado de Prince Edward. Localizado numa ilha no Lago Ontário, mais ou menos entre Toronto e Ottawa, o Condado, como é chamado, atrai aqueles que desistiram da cidade grande, mas importaram seus gostos em cerveja, comida, estilo e música.

Kim Gray, de Calgary, uma das fundadoras e editora do blog de viagens Toque & Canoe, fez sua primeira viagem à região este ano e a descreve como um retiro despojado, com destaque para a natureza, aonde o pessoal da cidade grande vai para "deixar as preocupações e estresses de cidade grande para trás".

Hospede-se no June Motel, antigo espaço que abrigava trailers nos idos de 1950, perto de Picton, e que ganhou uma reforma estilosa para se transformar num motel de 16 quartos com portas cor-de-rosa, papel de parede ousado, um bar de saguão cheio de plantas e sessões de meditação ocasionais (diárias a partir de US$ 145).

No verão, a atividade se concentra no Parque Sandbanks, com três praias imensas, ótimas para mergulhos e caminhadas. Estas podem ser feitas nas trilhas em meio às dunas e florestas (entrada, US$ 12,25  por veículo).

O cenário gastronômico de Prince Edward é rico, e inclui vinícolas que vão desde a Closson Chase, conhecida pelo chardonnay e o pinot noir (degustação a US$ 10), à Grange of Prince Edward, que prepara cestas de vime com charcutaria e queijos locais para duas a quatro pessoas (US$ 35), para piqueniques nos arredores. Entre as novas cervejarias, a Matron Fine Beer, especialista em rótulos com baixo teor alcoólico. Se estiver interessado em ervas, óleos e vistas instagramáveis, vá ao Lavandário ou dê uma boa garimpada no Stowaway Vintage & City Revival.

Se você gosta de Jackson Hole, no Wyoming, visite Revelstoke

Jackson Hole, no Wyoming, oferece acesso a parques nacionais a partir de uma cidadezinha que ferve. Ainda que Revelstoke, na cordilheira de Kootenay Rockies, na Colúmbia Britânica, não seja tão desenvolvida (e lotada) como a cidade norte-americana, também oferece proximidade com os parques nacionais e aventuras ao ar livre como SUP e rafting a partir de um núcleo convidativo.

"Muitas famílias jovens estão criando um estilo de vida inspirado nas montanhas aqui, tendo o Monte Revelstoke e o Parque Nacional das Geleiras bem pertinho", diz Gray.

A mais ou menos 190 quilômetros de Kelowna, no encontro dos rios Columbia e Illecillewaet, Revelstoke é um destino popular de inverno, recebendo de doze a quinze metros de neve anualmente. Este ano, sua área principal de esqui, a Revelstoke Mountain Resort, inaugurou o Aerial Adventure Park, que inclui paredão de escalada (US$ 40) e uma pista nova de mountain bike a cujo topo se chega de bondinho, com uma queda vertical de mais de 1.700 metros (US$ 35 pelo passe para o dia; aluguel de bicicleta a partir de US$ 69,99).

A cidade dá para o Parque Nacional do Monte Revelstoke (entrada a US$ 7,80), oferecendo uma grande variedade de trilhas, desde o trecho de um quilômetro com obras de arte das Primeiras Nações até o de dez quilômetros, montanha acima, que atravessa um campo lotado de flores silvestres.

De volta à cidade, a Journey's Perch, antiga igreja que foi transformada em pousada, combina quartos privativos (com diárias a partir de US$ 110) e dormitórios (com diárias a partir de US$ 45).

Como muitas das melhores estações de esqui, o que não falta são pubs, incluindo o novo Rumpus Beer Co. e o Monashe Spirits, que prepara coquetéis com bebidas artesanais. Entre as opções de restaurante, há o café Dose, de australianos, e a churrascaria locávora Quartermaster Eatery, no Explorers Society Hotel.

 

Fonte: O Globo (https://oglobo.globo.com/boa-viagem/dolar-muito-alto-para-os-eua-canada-tem-opcoes-similares-mais-em-conta-23918234)

 


Tags